https://jornalinformativotabaiense.com

Pesquisa associa Bolsa Fam√≠lia a menor mortalidade por câncer de mama

Mulheres de baixa renda benefici√°rias do Bolsa Fam√≠lia que vivem em munic√≠pios com alto n√≠vel de desigualdade apresentam incid√™ncia menor de morte por câncer de mama que as não benefici√°rias, identificou um estudo do Centro de Integração de Dados e Conhecimento para Sa√ļde (Cidacs) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) na Bahia.

Por REDAÇÃO em 03/02/2024 às 09:10:44

Mulheres de baixa renda benefici√°rias do Bolsa Fam√≠lia que vivem em munic√≠pios com alto n√≠vel de desigualdade apresentam incid√™ncia menor de morte por câncer de mama que as não benefici√°rias, identificou um estudo do Centro de Integração de Dados e Conhecimento para Sa√ļde (Cidacs) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) na Bahia. As conclusões foram publicadas na revista cient√≠fica Jama Network e divulgadas nesta sexta-feira (2) pela Fiocruz.

A pesquisa avaliou dados de mais de 20 milhões de mulheres adultas registradas no Cadastro √önico do governo federal e aponta que, quanto maior a desigualdade de renda nos munic√≠pios, chamada de segregação na pesquisa, maior é o risco de morrer por câncer de mama.

Quando as pesquisadoras dividem essas mulheres de baixa renda entre quem recebe e quem não recebe o Bolsa Fam√≠lia, a constatação é de que mulheres que não receberam o benef√≠cio tiveram um risco de mortalidade por câncer de mama 17% maior em comparação com as benefici√°rias do Programa.

O estudo é fruto de uma colaboração entre pesquisadores do Cidacs/Fiocruz Bahia, da Faculdade de Epidemiologia e Sa√ļde da População da London School of Hygiene and Tropical Medicine, do Ubuntu Center on Racism, Global Movements and Population Health Equity da Universidade Drexel, do Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia da Secretaria de Sa√ļde do Estado da Bahia e do Instituto de Sa√ļde Coletiva da Universidade Federal da Bahia. Foram utilizados dados de 2001 a 2015 do Cadastro √önico do governo federal, que inclui mais de 114 milhões de brasileiros com baixa renda (quase 55% da população do pa√≠s).

Do universo de mulheres pesquisadas, 53,3% eram pardas, 32,8% eram brancas, 8,2% eram pretas, 0,5% eram indígenas e 0,4% eram asiáticas.

Maior mortalidade

O estudo mostra que a incid√™ncia de mortalidade por câncer de mama em munic√≠pios com baixa segregação foi de 6,4 mulheres a cada 100 mil habitantes. Em munic√≠pios com média segregação, a incid√™ncia chega a 6,7, enquanto nos munic√≠pios com alta segregação de renda, essa taxa é ainda maior, de 8,2 óbitos a cada 100 mil.

As mulheres que recebem o Bolsa Fam√≠lia e vivem em cidades mais desiguais t√™m risco de morrer por câncer de mama 13% maior que a média, enquanto as que não recebem o benef√≠cio e moram nessas cidades vivenciam um risco 24% maior. Os dados apontam que mesmo morar em uma cidade segregada tem seu risco reduzido pelo programa.

A pesquisadora Joanna Guimarães, associada ao Cidacs/Fiocruz Bahia, destaca a relevância do estudo ao descrever que a maior parte das pesquisa que avalia o impacto do Bolsa Fam√≠lia na sa√ļde se debruça sobre sa√ļde infantil e doenças infecciosas, explorando menos a sa√ļde da mulher.

"A pesquisa mostrou o resultado de uma pol√≠tica p√ļblica, o Bolsa Fam√≠lia, na redução das desigualdades na mortalidade por câncer de mama em mulheres. Isso se deve possivelmente ao aumento da renda familiar e com isso maior acesso a medicamentos, alimentação de qualidade e acesso a serviços de transporte, permitindo a busca por serviços preventivos de câncer, como a realização de mamografia, em outros locais", afirmou a pesquisadora à Ag√™ncia Fiocruz de Not√≠cias.

Ela defende que o estudo tem implicações pol√≠ticas, pois sugere a inclusão do rastreamento e exame cl√≠nico das mamas entre as condicionalidades do Bolsa Fam√≠lia. A conclusão se d√° a partir da constatação de que tais condicionalidades impõem uma maior utilização dos serviços de sa√ļde, aumentando a detecção precoce e potencialmente reduzindo a mortalidade.

Fonte: Agência Brasil

Comunicar erro
TABAIENSE

Coment√°rios